quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Recado:

conheci o movimento Mães de Maio através de um comentário. rodinha de conversas na faculdade, numa festa na prainha que não tem mar. tema hip hop e mulheres negras, não recordo o nome da palestra, lembro do entusiamo da amiga em dizer: finalmente você criou. sorri declarando a guerra vencida. durante meses resistente a criar o tal facebook. assunto único de vários amigos em: ah postei algo e sicraninho curtiu, coloquei a música e você viu menina quantos comentários, nossa já tenho tantos amigos, foram tantos compartilhamentos e eu antiquada  ainda acessando orkut, lendo blogs (ainda o faço). era resistência, não queria outro vício outro acesso outras ilusões outros isolamentos, na vida. criado acessado, menos do que esperava, não tinha identidade. 

e chegando em casa, jogando coisas na cama, tirando sapato, roupa e ligando o computador, sem comer e sentando na cadeira, procurei. acesso rápido, localizado Mães de Maio. raramente tomo partido de algo, alguém, sem observar, analisar e investigar. soa policial, não? mas é mania, algo de analista mesmo ou é a pura curiosidade. curiosidade que me mata muitas vezes, ou de surpresa ou decepção. no caso das Mães de Maio surpresa. diariamente postagens sobre violência policial (dos temas mais abordados e discutidos, publicados), política, corrupção, movimentos sociais, poesia, poema, músicas (de resistência), racismo, recolhimento de assinaturas virtuais, convite para atos, protestos, troca de ideias, informação e principalmente articulação entre movimentos sociais e população. é uma mídia alternativa, sem vínculo algum com partidos, são independentes, apoiados literalmente por aqueles que adotam o movimento e tornam-se filhos.

o que mais chamou atenção a inciativa de mães que perderam seus filhos decorrente de violência policial e no revertimento, direcionamento da dor, do luto, da perda, em luta. recordei do processo de gestação, criação e perda. como é isto para as mães? quem suporta esta dor? como é viver sabendo que alguém tirou a vida do seu filho. daí pensar aquele que tirou também tem uma mãe, quem assassinou idem, enfim, amplo demais para entrar neste mérito, ficarei apenas neste ponto da página noutra oportunidade leio o livro, identifico criadores por nomes, justo o respeito merecido a todas. por hora a indignação sobre o ocorrido a cerca de duas semanas, chegando da mesma forma e sentando cansada, querendo me atualizar das notícias. página certeira, informação para além da mídia comprável e corrupta e por falar nisto, Veja & Cachoeira reforçam a falta de ética e compromisso, o jornalismo sujo. a revista Veja serve para limpar a bunda ou serve de pinico a cachorros ou gatos, se bem que coitados, ninguém mereci, vai que assa o cu com tanta merda, mentira, corrupção escrita. leio todas notícias, direita, extrema direita, esquerda amiga da direita, esquerda frágil chamada de mídia alternativa. frágil por que não resiste a ditadura de algumas ferramentas, dentre tantas atualmente o facebook. sem aviso prévio simplesmente desativaram a página sem justificativa coerente.após divulgação de vários dos cinco mil usuários adicionados, simpatizantes a causa, e outros tantos assinantes, e divulgação em sites, pressão várias, concederam a gentileza de apenas termos em comunidade, ou seja na opção de curtir. 

interessante analisar que a desativação ocorrera após várias publicações sobre o genocídio da população jovem, negra e periférica do estado de são paulo. jovens que vem  sendo dizimados, exterminados por grupos não identificados pela polícia. acompanhei acirradamente estas divulgações e outras, e partindo da discussão para ação, as Mães de Maio recolheram mais de cinco mil assinaturas e rumo a brasília requerendo da mulher mais poderosa do mundo, digo em terceiro lugar segundo cuspido por revistas, que agisse sobre as ocorrências, assassinatos de jovens da periferia, com eficácia cobrando do governador negligente e do prefeito que absteve-se de qualquer providência, resolução. a mais recente aceita pelo governador, é o policial que matar menos ganhará mais, é por cabeça entende? virou gado.

a página é veículo de denúncia, de ação e articulação principalmente entre movimentos sociais, na troca rápida e repasse da informação. então qual o interesse no veto? quem está interessado? qual é a regra dos moderadores? o quê o facebook pontua  como "inadequado" a ponto de simplesmente retirar a página desrespeitando os usuários. qual o critério? o único momento em que fiz uma denúncia aos moderadores foi no acesso a página que incitava a agressão a mulheres. desde então se encontro páginas desta natureza faço a denúncia, sendo é pensar que páginas são retiradas segundo interesses. ou é hipocrisia liberar páginas de violência, práticas ilícitas, abuso e estupro a criança, pornografia e vetar a nudez de Simone de Beauvoir, vetar a nu artístico, censurar páginas que atrapalham interesses políticos em plena época de escarro eleitoral.
resta saber, atendendo a interesses de quem?

o virtual é disputado, não pense no facebook gratuito quando o mesmo troca, repassa e por quê não dizer "vende" informações sobre o comportamento dos usuários, disponibiliza informações quando solicitado a autoridades. nenhuma informação, mensagens são totalmente deletadas, ficam arquivadas e se necessário, pode revê-las. é interessante repensar para quem você serve além de você mesmo quando curti, compartilha e comenta. garanto que os moderadores do facebook sabem perfeitamente a quem servir. tanto que recentemente o criador da ferramenta insinuou que os brasileiros "estragavam" a página compartilhando inutilidades de orkut, mensagens sem conteúdo. engraçado que somos o terceiro, quase segundo país com maior acesso a internet, consumo virtual,  inclusive no face. então se estragamos a ferramenta ao compartilhar besteiras, qual a justificativa, desculpa, blablá quando nos negam o direito defendido em constituição na liberdade de expressão em divulgar informação de qualidade, articular atos políticos, debates com movimentos sociais, enfrentamento as questões sociais e a tão sonhada organização da sociedade civil, qual a justificativa para vetar, censurar a página Mães de Maio?
Respeito! Para elas, para nós, que somos filhos, não pedimos nada além de JUSTIÇA!
Então:


É PROIBIDO PROIBIR!!!
A ditadura acabou!
Por favor avisar a polícia, políticos, aofaceDITADURAbook
eu digo NÃO, ao NÃO!

em protesto, a censura ao movimento independente Mães de Maio . 
Até o momento não tiveram o histórico ou página reativado. 
Sou uma das filhas! 


e quero não apenas para curtir, compartilhar, quero entre amigos, na movimentação e articulação de outrora.
então devolvam o histórico e a página p@rr@!!! A ditadura acabou!!!


“A página do movimento independente Mães de Maio aqui no Facebook foi reativada pelos administradores da rede social.
Repito: as Mães de Maio são independentes e têm muitos filhos por elas. Até o fim."
(divulgação André Camarante)

É PROIBIDO PROIBIR!!!

vou ali e volto já.
quero aprender a ser mais VADIA!!! Não é assim que a polícia do Chile trata estudantes que protestam, como vadias, vagabundas, então? vou ali aprender a ser mais vadia e volto já! mas se não voltar,
recado dado: É PROIBIDO PROIBIR, PORRA!