segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

O costume da saudade

Chegou como quem não queria nada!
Era só mais uma na multidão.
Em nada me chamava a atenção.
Até aquele fatídico dia...

Sei que não tinha a intenção de me conquistar. Mas a vida é assim mesmo.
Você sempre demonstrou interesse, mas eu, em meio aos meus medos, preferi ignorar, fingir que nada acontecia. 
Que não era comigo. Mas não deu.

Com o seu jeitinho especial de ser, acabou me cativando, e ficar longe de você era cada vez mais difícil.
Não teve jeito.
A cada sorriso, a cada olhar, eu me via cada vez mais no seu mundo. 
E você no meu.

Boas lembranças! Maravilhosas recordações!

Sonhos que sonhamos acordados! Risos e brigas, trocas de elogios e de xingamentos, tão próprios de quem necessita um do outro.

Hoje, depois de tanto tempo, ainda trago comigo tudo aquilo que a gente viveu!
Os caminhos se separaram. Os rumos foram diferentes. Mas eu sei que sempre existirão em nossas memórias as nossas memórias!

Músicas, composições, poemas e temas tão próprios da gente, da nossa história!
Nossos, e só nossos! De ninguém mais!

Onde quer que você esteja, lendo essa mensagem, sei que compreenderá.

Ou não.

Tudo ficou diferente.

Tudo mudou para sempre.

Não há volta.

Mas a vida é assim mesmo!
A vida segue. 
Ainda assim é bom lembrar. Acreditar que ainda somos capazes de amar nos encoraja a um dia ainda acreditar que de dentro de nós, possa brotar essa "necessidade" dolorida e gostosa do sorriso de alguém, daquele clipe que a gente logo imagina quando lembra da pessoa em questão.

Mas acho que é só comigo.

É só comigo.

Num mundo onde tudo é tão descartável e tão passageiro, você não passou em branco.
Muito pelo contrário!
Ainda vive aqui, em meio aos meus sonhos e devaneios, tão vivos dentro de mim, tão atuais, tão necessitados.

Em meio a milhões de olhares, o seu foi diferente. É diferente. Em meio a pensamentos, idealizações, idéias, alegrias e tristezas.

Em meio ao que não pode ser, pela distância e pelo tempo distante das circunstâncias, você daí e eu daqui!

Sigo sonhando um sonho do qual ainda não despertei.
Não por maldade, nem por masoquismo, imagina!
E sei que nem por maldade sua também, tão inocente nessa história toda!

Um dia sei que acordarei.
Para novos sonhos e novas realidades.
Aí, você será só uma lembrança. Talvez, como eu seja pra você hoje.
Será que sou? Não sei... Acredito que sim...
Mas se não for, não tem problema! 
Como já disse, um dia acordarei!

E a partir desse dia, você será somente mais um rosto e um sorriso em meio à multidão.
Rosto e sorriso dos quais me acostumei a sentir saudade.
E com a saudade, veio o costume da falta que você ainda faz.

É triste sentir falta e saudade dos que já se foram.
Mais triste, porém, é sentir falta e saudade de pessoas que, como você, ainda vivem, aqui dentro de mim.