sábado, 4 de maio de 2013

All Souls Night.

Pessoal, esse texto na verdade fala sobre a noite de 30 de abril para 1º de maio, que corresponde à Entrada do Inverno e aos ritos de Finados. Eu escrevi esse texto no Facebook, num momento de forte emoção, e pelo feedback positivo trouxe-o para cá, também. Hoje é dia 4, mas ainda podemos refletir sobre os processos relativos à Entrada do Inverno.
O título dessa postagem remete a uma música da Loreena McKennitt que pode ser ouvida aqui. Suponho que tenha sido feita para a data.
Embora esse texto esteja cheio de referências devocionais, considero seu conteúdo bem ecumênico. Caso queira seguir a forma convencional dos ritos no Brasil, leia esse texto no dia 2 de novembro.

Opa, pera. Dia 2 de novembro é dia de outra pessoa. Dia 4, gente. :)

Hoje é uma noite singular.
Talvez não para todos, talvez não para todos aqueles que compartilham dessa página. Mas, particularmente, para mim, essa noite é singular.
Ainda que suas crenças sejam diferentes das minhas, hoje eu te convido para lembrar com carinho de alguma pessoa que você ame. E, tenho certeza, você vai descobrir que só o fato de lembrar já mexe com os músculos faciais responsáveis por um sorriso.
E, se não for abusar, quero que você lembre de uma pessoa que já morreu. Se você a amava, que isso seja doloroso e prazeroso, concomitantemente: a dor da partida, com a delícia da lembrança que atrai a presença.
Se você só a conhecia, que você tenha um minuto de compaixão por todos aqueles que a amavam.
E se você tinha qualquer sentimento negativo por ela, do ódio ao desprezo, que você receba a dádiva do perdão mais puro que existe: aquele que só você mesmo (a) pode se conceder.
Eu desejo também que você sinta esse amor. Porque temos tão pouco tempo para lembrarmo-nos que também somos amados! É necessário um evento importante para lembrarmo-nos de falarmos "eu te amo" com a força necessária para que as palavras reverberem. Esse evento é agora. A tua leitura dessa mensagem. 


Eu desejo que você sinta esse perdão. Que você esteja livre de todas as amarras que o ódio foi capaz de criar no seu coração. Que todo o ódio destinado a você - porque, sim, você é imperfeito, mas é digno de amor e perdão incondicionalmente, quero nem saber o que você fez para merecer ódio, só quero te oferecer meu abraço - seja posto à sua frente e, diante desse ódio, você reconheça o quanto você é importante.
Só é digno de ódio alguém com quem se importa.
E eu te desejo um minuto de silêncio. Porque o amor é o silêncio compartilhado que reverbera no interior de uma igreja. Vivemos tão corridos que esquecemos que, quando o assunto falta, o amor se revela. A empatia preenche.
E, por último, eu te desejo uma reflexão tranquila sobre a morte, sobre a efemeridade da vida. E, sobretudo, que você entenda que é fácil morrer. Morre-se de gripe, de susto, de tombo, de cochilo, de desatenção, de desamor, de destemperamento, de acaso, de oportunidade.
Viver é que é difícil.
E eu te convido a viver. 
Tenha uma boa noite. Como a minha está a ser.