segunda-feira, 22 de julho de 2013

Pedro e Bianca



Pedro e Bianca é a mais nova série da TV Cultura, de São Paulo. 

Acabei descobrindo a série por acaso e resolvi assistir porque duas coisas me chamaram a atenção logo de cara: a primeira delas é que um dos criadores é nada mais, nada menos que Cao Hamburger, conhecido por ser diretor de ótimos trabalhos como "Castelo Rá-Tim-Bum" (para a própria TV Cultura), "O ano em que meus pais saíram de férias" e "Xingu" (estes para o cinema). A segunda foi o fato da série ser gravada na Escola Estadual Alberto Torres, escola em que minha mãe estudou nos anos 50 e que fica no bairro do Butantã, a uns 10 pontos de ônibus do prédio onde habito.

Pedro (Giovanni Gallo) e Bianca (Heslaine Vieira) são dois irmãos gêmeos, de classe média baixa, que vivem na periferia de São Paulo. Até aí tudo bem. A peculiaridade desta família logo é percebida, no entanto, quando percebemos a total falta de semelhança entre os dois irmãos. Numa possível, porém improvável coincidência genética, Pedro é branco como a mãe (Gorete Milagres) e Bianca é negra como o pai (Thogun Teixeira). Outra idiossincrasia desta família é o fato do pai ter sofrido um acidente em seu trabalho de eletricista e sofrer algumas descargas de eletricidade quando fica nervoso.

Pois é, mas não pensem que Pedro e Bianca é uma série pós moderna cheia de personagens com poderes especiais. Não. A cota de fuga do cotidiano se resume aos dois casos já citados. Todo o resto de Pedro e Bianca é bem palpável, bem humano até. E esse é o maior trunfo, o maior diferencial da série em relação a outras produções semelhantes. A começar pelo fato das cenas serem gravadas numa escola pública, com problemas de escola pública, tendo por figurante os alunos da própria escola e tendo por pauta problemas vividos, de fato, por estudantes de escola pública.

Até mesmo em produções da própria TV Cultura, o tema "escola" quase não aparece. Em "O Mundo da Lua", Lucas Silva e Silva (Luciano Amaral) frequenta uma escola particular e que quase nunca é citada. Em "Castelo Rá-Tim-Bum", Pedro, Biba e Zequinha (Luciano Amaral, Cinthya Rachel e Freddy Allan) apenas se referem "que foram à escola hoje", enquanto Nino (Cássio Scapin), do alto de seus 300 anos, não frequenta escola alguma. Na Rede Globo temos, há quase duas décadas, a novela "Malhação", mas esta está longe, muito longe, de representar a realidade do jovem de periferia. As demandas são definitivamente outras.

Em Pedro e Bianca, temos a dificuldade de conciliar o trabalho com os estudos. Temos as possíveis tensões que podem ocorrer diante da chegada de um estudante que acaba de sair da Fundação Casa. Temos o traficante que tenta tirar vantagem da falta de dinheiro dos estudantes da escola do bairro. Temos retratados problemas que bem poderiam ser os da escola em que estudávamos ou da escola pública ali da esquina.

É isso. Tenho medo de sair contando mais coisas e estragar possíveis surpresas.

Pedro e Bianca é indicado para adolescentes e para interessados em adolescentes (me refiro aos educadores e não aos pedófilos). Como não é lá muito divulgado, acredito - temo - que poucos sequer saibam de sua existência. Então, vamos lá: Pedro e Bianca é exibido pela TV Cultura, aos sábados e domingos, às 14 horas. Para os que não assistem TV, todos os episódios podem ser vistos no site da TV Cultura: http://tvcultura.cmais.com.br/pedroebianca/episodios/exibidos

Para dar uma amostra, segue o primeiro:



É isso.

Um abraço e até 22 de Agosto,

Felipe Lários