quarta-feira, 30 de abril de 2014

I KNOW IT'S OVER

Se você hoje é um cinquentão, tinha um bom contato fora do Brasil na década de 80 que lhe trazia discos de bandas de rock e gosta de música claro, você deve ter pego o finalzinho da melhor época do Punk Rock, o início do Pós Punk, e viu os Smiths começar e terminar.

Se você é um quarentão, vai jurar que a década de 80 foi a melhor década musical de todas, vai chamar balada de bailinhos, vai dizer que na sua época a cachaça bruta era vinho batizado, e com certeza ira me dizer que já dançou, ou já viu alguém dançar com a parede, ou abraçando a sim mesmo em uma das músicas dos Smiths.

Se você é um trintão muito provavelmente ira dizer que a década de 80 foi a melhor, mesmo não tendo vivido essa década musicalmente, provavelmente tomou um vinho pior do que os quarentões acima, e sempre que for a uma festa ira perguntar “Rola umas músicas dos anos 80?” sendo que você escutou Smiths e outras bandas da época até na quermesse do seu bairro.

Agora se você é um pobre mortal que está na faixa dos 20 anos, você pode não conhecer os Smiths (eu já presenciei isso mais de uma vez) e se você conhece a banda é porque assistiu o filme 500 com Summer ou o filme As Vantagens de Ser Invisível.





Mas, seus problemas acabaram né danadinho, com a tal da internet, e seus comparsas MP3 e  Torrent você tem a discografia completa ai incluindo os B-Sides, estou mentido?  Rs

Porém se você quiser agregar o seu camarote musical o escritor Tony Fletcher fez um resumão da carreira dos Smiths para você na biografia, “The Smiths – A Light That Never Goes Out”.



São mais de 600 páginas onde você encontrará até o mapa de Manchester com legenda para quando você estiver de bobeira ai no sofá ir para lá e conhecer onde os músicos moravam, ensaiavam, etc.

A biografia é rica em detalhes, alguns deles desconhecidos até então, está do jeito que os fãs gostam, e eu já garanti a minha.



Boa leitura 
Abs

Jeff