terça-feira, 1 de abril de 2014

sobre o texto

ontem um amigo disse que sente falta dos meus textos mais densos, profundos, poéticos, dramáticos e conversamos muito sobre o fato de escrever sob algum efeito negativo, uma dor, um sofrimento, um soco no estômago, uma facada no peito.

ele disse que, pra ele, aqueles são os melhores textos meus e que eu devia aproveitar essa veia da tristeza, do amor perdido, da falta, da busca, do ódio.

ele também disse que eu nasci pra escrever tais textos e que em tais textos eu mostro o que há de melhor em mim, na literatura e na vida.

não sei se há tanta diferença assim na minha vida em relação à minha literatura, mas ele complementou dizendo que quando estou desse jeito - dramaqueen (ele usou este termo, dramaqueen) - eu escrevo muito muito muito muito compulsivamente e sempre muito bem. 

talvez seja por isso que tenho tenho escrito tão pouco e tão mal nos últimos meses!