segunda-feira, 14 de abril de 2014

Uma História

Elas viviam dentro do rio e só interagiam com o mundo externo a partir do reflexo das coisas de fora no espelho d'água. Nas noites claras elas gostavam de nadar na lua.

Do outro lado eles abriam um buraco no céu com uma enxada digital movida a energia solar.

Elas faziam longos tapetes juntando os cabelos de todas. As tranças eram um jeito de escrever sobre o mundo.

Do outro lado eles moravam dentro de quatro paredes de barro com capacidade para armazenar milhões de gigas.

Elas cantavam o canto de todos os peixes e flores. A água ficava encantada e o céu se aproximava da terra para melhor escutar.

Do outro lado eles dançavam ao redor do fogo uma dança que não sabiam se era festa ou guerra. A luz era fosforescente e fria no visor de 380 polegadas.


Elas sabiam que eles jamais voltariam e decidiram buscá-los.

As árvores  serviram de escada para elas subirem para a terra. Na terra  não conseguiram ser. Eram só sentimentos, emoções, sensações e se espalharam feito chuva.





Ps: Tá aí mais um experimento. Consegui fugir do autobiográfico e tentai escrever uma história. Inventei essa história quando pensei na imagem de mulheres tirando folha por folha de todas as árvores de uma floresta, mas depois acabei nem usando, pois elas moravam dentro d'água. Percebi que tenho uma trava para escrever coisas fora da lógica formal.