sábado, 22 de novembro de 2014

Fiat Blues!


Acabou a luz!

Podem me chamar de anacrônico, mas eu gosto quando falta a luz.

Quando somos privados, ao menos que por alguns instantes, dos benefícios da vida moderna, a primeiríssima impressão que dá é que quem perdeu a energia fomos nós. Nós, seres acostumados a viver sob a égide do conforto, conectados com o mundo todo, o tempo todo, por um momento perdemos o norte quando nos percebemos impossibilitados de tomar um banho quente, de acessar à internet ou de minimamente nos situarmos em meio à escuridão.

Acender uma vela? - o pragmatismo geralmente começa a funcionar daí – mas acender um objeto tão arcaico e simplório em plena era da tecnologia? - Sim! Você fricciona um simples palito de fósforo em uma superfície rugosa e produz fogo! – Aqui o ser pós-moderno se sente realmente poderoso – como numa epifania, ele se percebe capaz de fazer algo surgir do nada, por uma simples e fascinante reação química, motivada por suas mãos tão acostumadas a resolver as coisas com cliques e apertar de botões.

Não quero aqui negar a evolução tecnológica e escrever linhas nostálgicas sobre a vida franciscana. Não é isso. Mas existem coisas que só percebemos - e valorizamos - diante da privação. Coisas que não deveríamos esquecer, mas coisas que fatalmente esquecemos. 

Se naquela noite não tivesse faltado a luz, eu provavelmente não teria ido - com esposa e filha - visitar nossos vizinhos peruanos do 43. E mesmo que tivéssemos ido, provavelmente nossa conversa seria sobre alguma coisa banal que estivesse passando na TV e jamais teríamos ficado em roda - para aproveitar o melhor que podíamos a fraca luz de um lampião improvisado - vendo fotos antigas e prestando atenção em cada detalhe.

Se naquela noite não tivesse faltado a luz, eu provavelmente teria passado nervoso vendo pela TV meu time empatar mais um jogo contra um adversário medíocre, narrado por um narrador não menos medíocre e transmitido por uma emissora que sonega impostos. Ao invés disso, a luz da vela iluminou minha gaita, que há muito jazia encostada num canto do quarto, esperando por um dia que faltasse luz...

Naquela noite, os vizinhos dormiram ao som do meu blues...