sexta-feira, 3 de junho de 2016

Eu poderia

escrever sobre tantas coisas, mas é sempre uma corrida contra o tempo e tantos os pormenores envolvidos...

É música que acaba, é o farol que abre, é a #nãopostada, é a mensagem que chega, é um “oi”, é o sorriso espontâneo, é o "tô indo", é a hora que voa, é o “espera, vamos tomar mais um café”, é o café que esfria, é o telefone que toca, é a hora que perdemos, é um “a gente vai se falando”, é o abraço apertado de quem não quer se despedir, é a dor de quem decide ir mesmo querendo ficar, é a música que começa, é uma memória musical, é uma saudade, é uma vida inteira acontecendo em fragmentos de cotidiano...