sábado, 6 de agosto de 2016

Soluções Práticas - Parte 6

Os monitores chiavam estrondosamente a falta do sinal perdido. A parede coberta deles com fragmentos daquela história, agora só tinha uma letra pichada, o "A" simbolo da resistência anarquista.

No chão os corpos das pessoas que Natasha estava acostumada a ver nas telas, todos com a cabeça escalpelada. 
O sangue formava poças e também criava letras na outra parede, uma mensagem em código ou seria outra língua. 

Pensou em voltar pelo portal, mas lhe pareceu pior conviver com o sangue do avô.  

Sentou sobre um dos cadáveres e começou a reler o diário. Podia recita-lo de tantas vezes que já tinha visto aquelas palavras. 

O cheiro de morte ajudava a afastar o sono. 

Desistiu de reler o diário, palavras que se tornaram sua família. E começou a organizar os papéis que enfiara as pressas nos bolsos, na casa do avô. A maioria tinha o garrancho torto que conhecia bem, outros de pessoas distintas.

"Não volte! Você já tem cabeças demais na sua coleção."