segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Ele odiava ter virado adulto

Ele havia crescido cercado de todo amor que uma família poderia dar a uma criança. Desde cedo era elogiado por ser educado demais, comportado demais, inteligente demais, bonito demais... Cresceu sabendo que sempre teria apoio, inteligência e capacidade para conquistar seus objetivos. Mas nunca foi ensinado a perder.
Ele, que havia adquirido uma personalidade forte com pensamentos determinados e certeiros a respeito de suas escolhas. Sabia a todo tempo se adaptar e não via problema em recomeçar. Colecionava conhecimentos e habilidades em diversos segmentos profissionais, era uma pessoa cheia de talentos. Tinha sede de aprender e gostava de saber cada vez mais. Era especialista em adquirir, mas não sabia perder.
Despreparado e com sentimento de injustiça, quando as perdas começaram a surgir ele sofria. Sem perceber foi definhando em relação aos seus ganhos antigos. Sofreu durante meses quando seu cachorro, companheiro desde a infância, faleceu. Chorou durante dias com o acidente que levou inesperadamente aquele ator que ele gostava tanto. Não soube recomeçar quando, pela primeira vez, foi demitido ao invés de pedir demissão para iniciar uma nova oportunidade. E devastou-se quando seu namoro perfeito chegou naturalmente ao fim depois de tanto acúmulo de sinais ignorados de que caminhava para o fim.
A vida é feita de ciclos, ciclos são finitos. Uma criança pode ser ensinada que ao invés de ser uma pena o pirulito ter acabado, ele pode comemorar o quanto aquele pirulito estava gostoso. Uma garota devia agradecer seu cachorrinho ter descansado depois de tanto ter brincado com ela. Os cachorros vivem bem menos, e ele a acompanhou até o máximo que pôde. Um homem deve saber que portas são fechadas e abertas por você ou por outras pessoas. E que é função das portas serem passagens, e não gaiolas. E os relacionamentos, embora finalizados enquanto rotina, vão sempre durar para sempre, afinal uma pessoa que conviveu com outra nunca mais será finalizada em suas lembranças. As pessoas deviam aprender a lidar melhor com as perdas focando na gratidão pelo tempo que durou ao invés de pensar no vazio que o prosseguirá. As pessoas ainda precisam aprender. Ele ainda não aprendeu. Por enquanto, ele odiava ter virado adulto.