quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Mundo geométrico

O mundo sempre fora quadrado.

As pessoas eram quadradas com cabeças quadradas, a cidade era quadrada e as casas também.
A cidade quadrada ficou para trás e deu lugar a um mundo aparentemente redondo que na verdade era retangular. Isso foi descoberto muito tempo depois.

A casinha era retangular com uma cama retangular. Às vezes, a cama era o mundo.
O universo tinha paredes, o que o deixava tridimensional.

Curioso que, algumas vezes, as paredes desapareciam. Isso não acontecia em sonhos, mas em pesadelos. 
Não ter paredes deveria ser bom, mas era exposição, fragilidade.

O mundo retangular não parecia mais tão ruim quando comparado ao mundo quadrado.
A cama retangular era grande e cabia, além dos pesadelos, os sonhos.

Quando as paredes caíram de um lado, foi possível correr;
E de tanto correr, andar, circular e voar, foi possível ver voltas, curvas, rotundas. O mundo perdeu os cantos.

Há, ainda, paredes frágeis,mas com portas para atravessá-las.

Ainda carrego um molho com chaves antigas para portas de um mundo esférico. 
Uma delas reluz como ouro.

“... and how many times must a man look up before he can see the sky?”