segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

a insustentável dureza (ops - leveza) do ser

Acabei de assistir no youtube o pronunciamento sobre a reforma da previdência do qual o Silvio Santos e presidente interino se esforçam para convencer o público de que a reforma da previdência é imprescindível.

O discurso está numa linguagem popular e os bons velhinhos capitalistas fazem uso de jargões religiosos (pensamento maléfico, pensamento positivo) e domésticos (colocar azeitona na empada) para convencer-nos da necessidade para eles de reformar a previdência.

O argumento principal do discurso se não aprovar a reforma da previdência não existirá dinheiro para pagar os aposentados. E assim ocorrerá como noutros países de não ter dinheiro para os aposentados.



Fico com dúvidas sobre essas afirmações dos bons velhinhos capitalistas Silvio, Temer, Marinhos e etc, nunca sei se o estado burguês está prestes a ruir ou quer deixar de existir ou deseja promover a guerra civil entre povo e instituições.

O que aconteceria se de repente o estado deixasse de pagar os aposentados? Qual seria a reação dessas pessoas? Como foi e está sendo a reação das pessoas de outros países quando aconteceu de acordar e não ter dinheiro para comprar comida, pagar contas e etc?

Quando calamidades orçamentárias batem a porta qual é a melhor opção para que guerras civis não aconteçam?

 1-Exigir que empresas devedoras da previdência paguem/quitem as contas com estado.

 2- Cortar recursos para empresas que não conseguem se manter/fechar as contas sem dívidas. E daí entender se o setor privado não consegue lidar com fechamento das suas contas porque então privatizar o que é público?

3-Não fazer a reforma da previdência.

E se porventura em último caso se necessária de fato que tal fazer a reforma para todos, então que sejam incluídos (militares, políticos e judiciário) pois assim todos entram na guerra e o estado burguês e canalha sucumbe de uma vez.

Depositar essa conta nas costas dos trabalhadores usando os bons velhinhos ricos dentre eles donos de emissoras e empresas que devem a previdência está fácil quero ver apresentar a conta para todos pagar e ainda sim sair ileso da situação.

Perdemos o fôlego do Fora Temer. O Fora Temer tinha muitos significados tanto para direita quanto esquerda. A parte que mais interessou foi da possibilidade de desarticular as reformas com Fora Temer e Greve Geral. Não aconteceu.

Desde ano passado as atenções se voltaram para eleições entre defender candidatura do Lula e decidir eleição entre PSDB e PT com espaços para MDB sigla na ditadura civil militar/PMDB se articular e ficar na sombra das negociações do estado.

Os movimentos sociais estão apoiando o que resta da esquerda e infelizmente não é uma escolha. Porque não temos um movimento autônomo e de auto-gestão que possa contemplar todas as pautas, moradia, saúde, mobilidade, cultura, educação e etc. Mas isso seria a revolução.

E revolução é desobediência civil.

E infelizmente a desobediência é para quando há interesses difusos e individuais. 

O resultado disso chega no dia a dia. Hoje foi com esta declaração da ministra aqui , uma amostra do que é o fortalecimento de uma classe logo após aprovada uma reforma, neste caso trabalhista.

Ah falta um mês para aprovar a reforma da previdência.

Também poucos dias para o carnaval, pra mim está sempre bom é melhor dançar do que sofrer por antecedência.