sábado, 20 de junho de 2009

Valor real X Valor agregado

Minha primeira contribuição aqui. Gostaria que fosse especial, passei dias buscando um tema interessante, um assunto fascinante... cheguei até ao ponte de ter uma insônia nessa noite. Infelizmente o tal assunto não veio, recorri então a observação do dia e do tempo. Lavei meus olhos, busquei lições dos detalhes. Sai.

Quando andava pela rua, escutei um papagaio assoviar o Hino Nacional Brasileiro. A melodia me transportou no tempo e me levou direto ao dia da minha Colação de Grau.
Particularmente, eu não tinha idéia de como era um evento desses e me surpreendi com seu tom um tanto religioso. No final da Colação, minha mãe queria me levar para um restaurante e fomos, com minha família, para um jantar especial comemorar.

Você quer saber o que isso tem a ver com valor agregado? Vamos lá: Quando chegamos ao restaurante, enquanto entrávamos, nosso excelentíssimo senhor ex-presidente Fernando Henrique Cardoso saia do recinto, acompanhado de sua esposa e uma fila do que imagino seus assessores.

Eu estava a ver aquela fila passar quando ouço uma voz: “Mas quem é essa linda garotinha?”
Volto o olhar para minha filha e vejo nosso Governador dando um beijo em seu rosto, “essa é a Francis”, educadamente respondi. Eu não sabia se o cumprimentava ou não. Não apertei suas mãos, mas olhei fundo nos seus olhos e vi um homem cansado, preso à suas obrigações públicas e ocultas. Tive pena. Ele acenou com a cabeça e retribui seu aceno.

Ele continuou e vi minha mãe cumprimentando-o, então sorri, pois vi algo muito grandioso saindo daquela mulher de modos simples e origem humilde, mas de coração gigante. Ela ria entusiasmada sem saber que, o gigante ali era ela.

José Serra seguiu com sua caravana e minha mãe sentou-se à mesa, ainda empolgada por conhecer uma pessoa famosa, com tanto valor agregado à sua imagem, mas pensei comigo… que valor?

Por essas e outras que não pago 500 reais num tênis, acredito que toda arte tem valor incalculável e, por isso mesmo não deve ser explorada comercialmente e também não peço autógrafos (tudo bem, só uma vez, mas eram os Doors pô!!!).

Estou feliz por, todos os dias, conviver com pessoas de valor real.