sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Contos sem Fadas


era uma vez uma menina que atendia pela alcunha de 'chapeuzinho vermelho'. era uma infante graciosa, de sorriso resplandecente, e vivia saltitando por entre as vielas de sua pacata cidade. certo dia, sua mãe pediu que atravessasse o bosque para entregar uma cesta com guloseimas para sua vovó, que estava adoentada. ela logo acatou o pedido e seguiu, mas não antes de receber a recomendação de não tomar o atalho, que era muito escuro e perigoso, habitado por um tal 'lobo mau'. chegando na entrada da mata, chapeuzinho, obediente como era, pegou o caminho longo e não viu nem sinal do lobo. quando estava se aproximando da casa da vovó já era quase noite e a lua começava a despontar no céu. foi quando o caçador avistou, de longe, a jovem donzela de figura angelical e não conseguiu resistir aos seus impulsos pedófilos. agarrou a menina, estuprou e matou. vovó não recebeu os docinhos. o corpo da menina jamais fora encontrado, pois seus restos, desovados na parte escura do bosque, foram devorados pelo sempre faminto lobo. a mamãe se arrependeu por ter mandado uma criança fazer uma tarefa de adulto e, hoje, não consegue dormir sem tomar sua dose prescrita de valium. sem mais.


[Hans Bellmer - La Poupée]