sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

O amor em doses cavalais

O colostro é um leite riquíssimo em anticorpos que a mãe passa para o filho nos primeiros minutos de vida, mas a alimentação do potro inicia-se já na barriga da mãe, desde o terço final da gestação, continuando através da égua até o desmame. Expedito, Médico Veterinário, apaixonado pela profissão. Em criança, pegava cachorros e gatos abandonados na rua e sua casa parecia mais um Jardim Zoológico. Dito, como era chamado pelos amigos e parentes, se especializou em égua. Calma, ele se especializou em eqüinos. Até porque sua mulher é uma pessoa boa. Literalmente. Um casal apaixonado, se conheceram de forma casual, num supermercado, ela não alcançava o molho de Tomates Secos no alto da prateleira e ele foi cortês ao ajudá-la, pegou o vidro e entregou para ela, que agradeceu com um sorriso. Conversaram um pouco na fila do caixa, saíram e tomaram alguma coisa e foi amor à primeira vista. Em uma semana já planejavam casar, ter filhos, essas coisas. Diana, Analista de Sistemas, apaixonada pela profissão. Em criança, não pegava animais abandonados na rua, se especializou em números. Tudo para ela é contabilizado. E gostava do número 2, por excelência. Casaram-se no dia 02 de dezembro, às 2h da madrugada, com 2 pares de honra, 2 pessoas celebraram o ritual e apenas os dois foram para a lua-de-mel, é claro. As duas alianças foram compradas no Egito, lindas. Mas ontem ele demorou para chegar em casa, trabalha em fazendas. Amor, você está onde? Estou à caminho, ele disse. Ela ansiosa e com fome ligou novamente. Amor, que demora. Onde você está? Dei uma paradinha no Posto, chego já, ele disse. Mow eu tô com fome, que demora é essa, hein? Ele não conseguiu mais e abriu o jogo: amor, eu perdi a aliança. O queêêê? Como assim? Ela interrogou quase gritando ao telefone. É que eu tive que examinar uma égua na Fazenda de Aldo e tirei a aliança, coloquei numa pasta mas não estou achando, já procurei no carro, na pasta, no carro de Aldo e nada. Diana não acredita na história e quando ele chega ela desaba, invente outra história, porque não deixou a aliança em casa? Ela gritava chorando. Ele pedia calma, meu amor acalme-se, eu pedi pro caseiro procurar e qualquer coisa me ligar. Vou ligar para Aldo, ela disse. Ligou. Pelo papo, parecia que ele havia perdido a aliança lá mesmo. Aldo não achou. O caseiro, seo Antônio, ligou logo em seguida dizendo que achou a aliança perto de uma árvore. Diana vibrou e comemorou com um sexo bem gostoso, sem anticontraceptivos, ela queria ser mãe.

Vídeo didático, parte integrante do conto: http://www.youtube.com/watch?v=r50QfYch_G8&NR=1