terça-feira, 2 de março de 2010

caderno velho

.
.
Pensei em escrever aquele texto, aquele que nós começamos a fazer juntos, mas preferi não fazê-lo. Aquele texto começou em uma noite com vinhos e fotos, a medida que bebíamos e falávamos mais, mais fotos eram tiradas. Era como se tudo precisasse ser registrado, como se soubéssemos que noites iguais aquela não se repetiriam. De repente, você surgiu com um caderno, uma caneta e uma proposta...cada um escrevia uma parte e outro completava, tendo liberdade de adaptar a história como preferisse. Nós fizemos isso, é fizemos...a história foi tão adaptada que descaracterizou-se toda, não reconhecíamos mais as personagens, as situações, o enredo. Depois de um tempo, o caderno foi deixado de lado, nós nos deixamos de lado e a história ficou suspensa...sem final.
Acho que não somos bons com desfechos, só introdução e clímax.
.
.