sábado, 23 de abril de 2011

24 de fevereiro


Eu quis um gato.
Como sou uma garotinha mimada, coloquei na minha cabeça que teria um gato e fui atrás de um.
Procurei com o marido a tarde toda de domingo pelo nosso novo amiguinho. Foi uma grande frustração não encontrá-lo.
Na segunda feira uma amiga "gateira" me deu o endereço de uma amiga de uma amiga de uma amiga que tinha uma vizinha que conhecia uma gatinha que tinha filhotes para doar.
O endereço era impossível de achar, no extremo norte da zona norte de São Paulo, um lugar mais feio que briga de foice no escuro, mas fomos lá.
Chegando no lugar conheci a dona dos gatinhos. Uma boliviana de uns 8 anos, cabelos escuros, compridos e lisos, que me deu um banho de água fria:
- Só te dou se for dois.
Ferrou. Como assim, dois? Tive vontade de chorar. Eu queria tanto um... mas só um...
Lembrei da Monica e do Chandler quando tiveram gêmeos. E pensei o mesmo. Vou pegar um e sair correndo. Só encomendei um. Quando a bolivianinha chegou com os dois filhotinhos cheirando leite foi impossível escolher um, separar os dois. Como a Monica e o Chandler.
Isso já faz quase uma semana, amanhã esses fofuchos fazem 2 meses e eles ainda não têm nome.
Ainda não consegui escolher um nome para os dois. O loirinho é um magrelo sem pêlo possuído, pensei em Satanás, Drago, Dragon, Jack, Brad, Costelinha, Nino, Manolo, Sol, Charlie... A cinzinha tem um pêlo de ursinho e uma carinha de coruja, é super tranquila e meiga, pensei em Lua, Jolie, Edwiges, Meg, Nina, Manolita, Manu, Amelie... Estou tão indecisa!
Alguma boa alma pode ajudar essa feliz mãe de primeira viagem a dar um nome digno à esses pobres gatinhos?