sábado, 12 de novembro de 2011

Mas é o creme da Barbie...

Como se lida com o envelhecimento ?Bom, nunca pensei que escreveria sobre isso,já que vivo mergulhada no complexo de Dorian Gray, achando apenas que meu retrato envelhece,não eu.
Não entendo o envelhecimento, porque meu cérebro não permite.Continuo me sentindo com dezoito anos mentalmente, como se isso fosse uma coisa boa.
Hoje em uma farmácia fiquei encantada com um creme da Barbie, com um cheiro doce.Mas como comprar aquilo, se estou em uma idade que os cremes tem que vir com alguma promessa de milagre ? Seja para eternizar minha pele, rejuvenescer anos em questão de horas,dar firmeza ou trazer de volta um tal de colágeno.
Quando eu era adolescente ainda não existiam no Brasil esses cremes da Barbie, minha mãe usava e me fazia usar o creme do capeta, aquela maldita lata azul da Nivea, uma produto sem nenhum propósito visual ou olfativo, não cheirava bem, não era bonito de ver e não se podia fazer nada com a lata depois.Meu irmão até que inventou um bom uso, deu para o gato brincar, ele adorava correr atrás dessa latinha azul.
Não tenho vontade de usar esses cremes anti -isso e anti -aquilo.Com tantos químicos ardem na pele, custam caros demais e não tenho vontade de olhar para eles todos os dias.
Ninguém me avisou nada,mas não me sinto envelhecendo.Tive dores no joelho,mas depois passou.Sinto que minha pele não é mais a mesma ,mas nem por isso parece que estou envelhecendo.
Meu pai diz para me preparar para a velhice, porque fica pior.Ah, bom saber! Conselhos depressivos são com meu pai, mestre e doutor nisso.
Eu até disfarcei na farmácia.Peguei cremes com milhões de ingredientes e garantias de eternidade, olhei, li os rótulos, fingi me impressionar com tudo o que diziam, mas no fim comprei o creme da Barbie, uma garrafinha rosa, cheia de brilho, com glitter. Não serve de muito ,mas gosto do cheiro. E o que seria envelhecer ? Não sei.Mas enquanto minha alma se encantar com algumas coisas,está bom para mim.