terça-feira, 3 de janeiro de 2012

2011

Comecei o ano endividada. Muito endividada. Viajei a trabalho. Gastei mais dinheiro. Engordei. Depois engordei mais. Recebi a primeira participação nos lucros. Paguei as dívidas. Torrei fortunas em roupinha para bebê. Fui umas das primeiras a ver meu primeiro sobrinho. Fiquei perdidamente apaixonada. Fui a primeira a trocar a fralda do meu sobrinho. Entrei em pânico. Tive que chamar a enfermeira. Aturei meu cunhado em casa por 3 meses. Sobrevivi. Ele também. Descobri que um bebê dá mais trabalho do que eu imaginava. Resolvi adiar a maternidade por uns 5 anos. Recebi a visita da Carol, do Emerson e do Angelo em casa. Comprei a máquina fotográfica do Emerson com meu irmão. Batizei meu sobrinho com meu irmão. Fui na feira da madrugada, depois fui passar um fim de semana na casa da Carol. Comi guacamole pela primeira vez. Guacamole entrou no top 5 comidas favoritas. Viajei a trabalho novamente. Fiz 29 anos. Não entrei em crise. Terminei o namoro. Voltei o namoro. Viajei com o namorado. Tirei férias. Quis ir pra índia, não deu certo, quis ir pra Nova Iorque, não deu certo. Tirei novo passaporte por garantia. Fui pra Pernambuco, sem o namorado. Conheci Recife, Porto de galinhas e Olinda. Achei Olinda a coisa mais linda do mundo. Voltei com alergia de pele e o pé furado. Fui para São Paulo, revi a Rosma, que me ensinou umas técnicas sinistras de Rh, revi o Edu, a Ana e o Tiago, que eu achei que nunca mais veria. Comi guioza pela primeira e entrou no meu top 5 também, junto com aquele pastel de macarrão e cebolinha. Fiz a Carol e o Emerson me levarem de novo no mexicano. Entrei no curso de fotografia. Aprendi a mexer na máquina decentemente. Tirei um zilhão de fotos. Meio zilhão do meu sobrinho. Conheci lá a Nádia, a Mônica, a Mislene, e mais um monte de gente bacana. Mandei um recado para a Letícia, ela respondeu. Tirei o peso de mais de um ano das costas. Sai com o pessoal do curso de fotografia. Tomei uma caipirinha só e fiquei alta. Não costumava ser tão fraca. Não avisei o namorado. Ele não gostou. Brigamos. Terminamos. Voltamos de novo. Comprei uma lente nova. Sai com meu irmão várias vezes para fotografar. Achamos a capela de Santa Clara. Resolvi fazer uma nova tatuagem. Não fiz. Resolvi trocar minha cama de solteito por uma de casal. Não troquei. Reformei um criado mudo que achei na loja de móveis usados. Ficou legal. Tem tinta verde no meu cabelo até hoje. Verde água, que descobri que é minha nova cor favorita. Meu pai parou meu carro na vaga de idoso. Foi guinchado. Burocracias kafkianas. Três dias para liberar. Briguei com o cara da delegacia. Vi que o serviço público no pais é mesmo uma merda. Tirei uma pinta. Ficou uma cicatriz horrível. Arrependi de tirar a pinta. Cometi um erro no banco. Perdi mil reais. Tive o primeiro grande dilema moral da minha vida. Quase fraquejei. Me senti a pior pessoa do mundo. Depois me perdoei. Acho que agi certo. Tentei ir pra praia. Não deu certo, fiquei frustrada. Resolvemos passar o natal em casa. Resolvi estudar para um novo concurso. Descobri que não gosto mais de cabrito. Reafirmei que pudim de laranja é melhor que de leite. Fez sol. Tomei banho de piscina. De plástico. Queimei. Quis repetir no dia 31, choveu.