quinta-feira, 23 de agosto de 2012

México 2 x Brasil 1

Tive um treinamento na Cidade do México no começo do mês passado e consegui esticar um pouco e conhecer essa cidade incrível.
Durante a semana fiquei hospedada no Camino Real em Polanco, um hotel bem bacana com piscina, academia e tudo que tenho direito mas não pude aproveitar por causa do curso. Consegui caminhar pela região à noite e o bairro é bem movimentado com bares, restaurantes e muita gente bonita se exercitando no imenso  Bosque Chapultepec. No final de semana fiquei no Hostal Centro Histórico Regina, o lugar mais barato que encontrei na internet e fiquei surpresa com a limpeza, o silêncio e a tranquilidade do lugar. Fiquei em um quarto misto, mas me senti muito bem. Internet free, lençóis e toalhas brancos e cheirosos, uma localização incrível, muito bem frequentado e um atendimento fantástico. Super recomendo.
Passei a final da Libertadores lá e não encontrei ninguém para dividir a ansiedade do jogo. Fiquei horrorizada, como assim um povo que não liga para futebol? Desconfiei, alguém que não gosta de futebol não pode ser boa pessoa. 
Mas eles me conquistaram pelo estômago. Tacos, chili, churros, chili, doritos inferno, chili, mezcal, chili, tequila, chili, água de jamaica.. Já falei chili? É absurdo como eles adoram chili, até os doces tem pimenta, mas é uma delícia. No Mc Donald´s tem catchup, picles e aquela pimenta verde cortadinha para ser servida à vontade no salão. Coisa de Deus. 
Falando Nele, a Catedral de Guadalupe é parada obrigatória pra quem visita a cidade. É bem pertinho e lembra muito a Catedral de Aparecida, linda e mágica, cheia de histórias de milagres.  
No sábado consegui um guia (há vários na praça de Zócalo, mas eu indico o meu japonês de cabelo azul ) e fui para as pirâmides. A viagem demorou mais ou menos uma hora numa estrada muito boa. Por mais ou menos 30 reais você recebe um ingresso para toda zona arqueológica de Teotihuacan. O lugar é simplesmente incrível, com museus, pirâmides atrações e uma aula de história e de civilizações. Um passeio no tempo, impossível não imaginar os Teotihuacans em seus rituais e não ter uma teoria maluca para seu desaparecimento. 
No domingo caminhei pela praça Zócalo, passei o dia na Liverpool e na Palácio de Hierro, duas lojas de departamento. Os preços não eram muito diferentes do Brasil, mesmo assim não resisti e comprei mais do que devia.. 
Uma dica é levar dólar ou peso mexicano. O único lugar que consegui trocar reais foi em uma casa de câmbio no aeroporto. Aliás, outra coisa que eu adorei foi o aeroporto deles: enorme, limpo, claro, bem sinalizado, organizado. Será que um dia chegaremos perto disso?
A cidade do México entra para a lista de cidades que moraria. Não sei se foi amor à primeira vista ou o Mezcal (alíás, muito melhor que a tão famosa tequila), só sei que já estou com vontade de voltar...