sexta-feira, 19 de outubro de 2012

... feliz!

Cresceu em meio à violência domiciliar. Seu pai era a personificação da agressividade. Sua mãe sempre lhe proveu todo o carinho que lhe faltou do pai. Gostava de brincar na rua todos os dias, e de subir em árvores. Uma maneira de se manter mais longe da realidade. Quis ser escoteiro e adorava, mas foi proibido pela mãe por ter uma saúde frágil demais pros acampamentos. Estudou, se formou, namorou sério, conseguiu emprego descente e cargo de respeito na empresa. Quando se tornou tudo que aquilo que a família sempre quis que ele fosse, largou o emprego, se mudou de cidade e foi ser tudo aquilo que ele sempre quis ser de verdade. O homem que seu pai nunca foi...