terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Mais Gatos e Menos Passarinhos


 Existe um país, onde a família não é feita de pai, mãe e filho. Só mãe e filho. As mulheres logo após a puberdade vão morar sozinhas, e os filhos homens moram para sempre com suas mães. O casal nunca mora junto, claro, eles namoram, tem filhos, mas não moram juntos.

  Existe outro em que o herdeiro do homem é sempre seu sobrinho, filho de sua irmã, nunca seu filho.

Devem existir outros mil modelos de família no mundo, que eu vou conhecendo picados nos documentários da TV.

As pessoas da minha idade começaram a se separar, agora são divórcios mesmo, e alguns deles tiveram filhos.

Sempre achei normal o divórcio, mas esses dias comecei a ver, que muito além de ter os pais separados, tem avós separados, e juntando tudo, terão vários em breve.

Eu tinha duas casas para ir aos domingos, as casas dos meus avós paternos e de meus avóis maternos, e nunca pensei em vê-los separados. Dividia os finais de semanas, as festas, as viagens tudo em dois.

Nesse final de ano, uma prima do meu pai, que já passou dos sessenta passou a virada conosco. O motivo? O ex marido, a festa ia ser com sua neta, seus dois filhos, mais ia o ex marido e sua família. E pior que passar as festas com o ex, é passar com a família dele.

Comecei a ver como vai ser confuso daqui pra lá, e como as pessoas são mais pessoas e menos família.

Não sou contra separar, está ruim tem que separar mesmo, só não sabia que as coisas estavam ficando tão ruins assim.

Os passarinhos vivem em par, é bonitinho como ficam juntos nos galhos e namoram carinhosos, criam os bebês e envelhecem juntos.

Mas o ser humano nunca foi passarinho.

 Os gatos (não os castrados) vivem diferente, tal manda chuva, aproveitam a vida, se apaixonam, tem amigos, brigam, namoram, tem filhotes, vivem perto de quem gostam, família ou não; o tempo que for pra ser, e não o tempo que tem que ser.