sexta-feira, 17 de maio de 2013

É a parte que te cabe desse latifúndio

Tenho achado essa vida meio severina. Meu projeto adulta tem falido todo dia. Tenho considerado difícil sair do casulo, dessa morte necessária, necessária, mas ainda assim, ainda assim severina. Em todo lugar, é esse tumulto, são esses muitos braços e pernas, não é o bonde de Drummond que passa, mas é o metrô, o trem, é o formigueiro de gente, de tanta perna, que se amontoa, que se engalfinha, que se abespinha, almas sonolentas, automáticas, robóticas, nem mortas, nem vivas. A vida é severina, tem andado severina, mas não da seca que seca o coração dos homens, não só da falta de broto, não da falta de justiça. Onde tem garoa a terra é abafada, acinzentada, sufocada, secando não as possibilidades de chuva, mas as de singularidades. Porque também são muitos Severinos, de mães chamadas Marias, é esse mesmo drama da gente que se amontoa nessa cidade tão grande. São muitos Severinos carregando debaixo do braço currículos, honorários, títulos, troféus e reconhecimentos numa pasta dourada para provar que são seres dourados, intocáveis, escolhidos. Ao mesmo tempo carregam os sonhos dentro de um saco de papelão. Severino se amontoa  tentando ganhar o fruto, ao qual o homem se destina, tentando galgar o topo mais alto do mundo. Carrega no lombo todo o necessário para seu sustento, fica longe dos seus, compartilhando da sua energia com a gente que menos queria. A vida severina o carrega para longe, amontoado ainda, para o destino do maior medo de sua mãe Maria. Essa vida é tão severina que na secura de sonhos repete as mesmas mortes da secura da água: a velhice antes dos 30, a violência antes dos 20, a fome um pouco por dia. Quem aí nunca morreu por não saciar sua fome de mundo?
 

E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,
de emboscada antes dos vinte
de fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida).   

Somos muitos Severinos
iguais em tudo e na sina:
a de abrandar estas pedras
suando-se muito em cima,
a de tentar despertar
terra sempre mais extinta(...)

(João Cabral de Melo Neto - Morte e vida severina)