sábado, 16 de novembro de 2013

A noite

Já posso imaginar o café feito as pressas distribuído em garrafas térmicas, em diversas cores e de muitas donas, a harmonização será com bolachas Maria e lágrimas. A briga entre cafeína e serotonina será travada na longa noite entre histórias e estórias, com piadas, talvez um rabo de galo ou mesmo cerveja. Parece surreal, a líbido tomar conta, eu não paro de pensar como poderíamos dar uma escapada e buscar abrigo num escuro qualquer nem que seja para apenas cinco minutos para que possa entender em que estado estou. Ais tias tecendo elogios como se fossem o certo a fazer, como se acumulasse pontos, algo como o Multiplus do Céu, as amantes lembrando os momentos de alcova e esquecendo do quão duro era o dia a dia de silêncios e bruscas acusações, crises e mais crises...mais uma vez a líbido toma conta, talvez seja uma forma de lembrarmos da vida. A ladainha como será logo mais.