quarta-feira, 8 de abril de 2015

Dengue

  Veio um novo administrativo meu trabalho, novo trabalhando lá pois já tem mais de 40.
Ele deve ganhar umas três vezes meu salário, pelo menos, e trabalhar umas três vezes menos, certamente.

 Tenho que frisar que trabalho em uma unidade de saúde e dentre médicos, farmacêuticos e enfermeiros achava que a mais leiga em saúde fosse eu.

  Estávamos na recepção, numa pausa entre cinco, seis funcionários falando sobre a dengue que está preocupante lá em Guarulhos.

  Alguém pergunta para o administrativo, que por acaso se chama Eduardo, sobre uma piscina que o vizinho mantém suja e se havia sido notificado.
  Eduardo responde que já forem ver e a piscina estava tratada, sem foco de dengue. Mas ele não aguenta a oportunidade de entrar na conversa e acrescenta: 

  -Se bem que eu não acredito que o mosquito que transmite a dengue.
  Todos se entreolham em silêncio.
  Ele acrescenta:
  - Veja bem, para ir de avião até a Ásia são dois dias, o ciclo de vida do mosquito só duram dois.
  -Também acho que é invenção esse negócio do Ebola, se fosse do jeito que dizem já havia morrido toda a humanidade, mas fazer o que, os cientistas dizem e agente tem que acreditar...
  A farmacêutica é a única que consegue interrompê-lo:
  -Eduardo, que bom que você é administrativo!
  
  Fiquei imaginando o mosquito da dengue vindo a voo da ásia, ri sozinha por mais dias que o ciclo de vida do bichinho.