terça-feira, 29 de setembro de 2015

o que é família?


Foi à pergunta em determinado processo seletivo.

Confesso que até então, jamais tinha pensado no que considerava ser uma família. Mesmo porque a minha sempre esteve super desajustada no refere aos padrões margarina; ou tive enormes dificuldades na parte teórica para definir.

Desde então, busco saber.

E seja em palestras, cursos, seminários e afins percebo que tem se discutido mais sobre as famílias. Mesmo porque elas tem se modificado no mesmo ritmo que a sociedade. Tornou-se tão complexa e em crise quanto à crise do capital e aquém de respostas prontas.

Então para além da teoria, em sua opinião o que é família?

Também considero que o inenarrável interesse pela discussão e definição de forma categórica e jurídica se deve ao fanatismo religioso e aquela besteira de ameaça comunista as famílias.  E confesso que se esta ameaça de fato existisse beneficiária muitíssimo elas. Afinal veja o que o projeto de sociedade democrática, porém capitalista faz com as famílias: sírias, africanas etc.

Mas a discussão deve-se também à demanda gigantesca em equipamentos públicos que vivenciam crises sem fim desde a sua implementação pelo Estado de Direito, porém super burocratizado que potencializa a desigualdade social agrava ainda mais os problemas sociais das famílias.

O interesse religioso está relacionado ao fanatismo medíocre, que se diga depende muitíssimo das famílias para se perpetuar através de dízimos e ofertas na sociedade. Independente do estado de sofrimento que elas estejam todo problema social se resolve com oração (nada contra afinal também oro) e persistência nas provas com Deus.

Exagero? Imagina filho (a).

Veja que o Estatuto da Família (PL 6.583/13) aprovado por 17 votos a 5 que exclui  famílias diferentes do tradicional (ou seja família é apenas o  papai, mamãe e filhinhos) nos prova isso, principalmente quando se nota o oportunismo de partidos que não necessariamente são religiosos.

No que refere à demanda, ela existe e é requerida em debates da assistência, saúde e justiça pelos profissionais que vivenciam nos atendimentos a decante condição em que se encontram as famílias fora dos padrões de comercial e foto em rede social, ou seja, exclui a família real, do cotidiano sabe.

E tão decadente quanto é notar que mais se preocupam com a definição  do que com as famílias e suas demandas. Ou alguém realmente acredita que definir o que é família impedirá os diferentes e/ou iguais de se relacionarem tendo em vista que o homem é um ser social e precisa do outro, portanto, viver em comunidade, família, seja o que for.

Ou acreditam que definir o que é família vai impactar as demandas?

Sem pestanejar creia que definir o que é não contribui em absolutamente nada para impactar demandas e problemas sociais das famílias.

Hoje compreendo que o conceito de família é amplo e, portanto extrapola o âmbito do fanatismo religioso, extremismo teórico e oportunismo político de classe social privilegiada.

Mas sabe o que é?

Agora estou pescando. É isso mesmo, estou caindo pela tabelas, lutando contra o sono. Mas garanto desenrolar noutro instante o que considero família.


Sendo deixo o vídeo para mostrar um pouco:

ay qué família yo tengo
***