sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

férias

E aquela preguiça monstruosa que não me larga.
Não bastasse isso, o computador falha. 
Tudo bem, mando para conserto e quem conserta diz: "até sexta-feira pela manhã devolvo".
Confio. Espero. Espero. Espero até às 18 e 30 minutos. Até agora nada do computador. 

Dizem que nos trópicos brasileiros o atraso é perfeitamente naturalizado.
Então relevo, como tudo na vida e corro atrás de alguma lan house da vida.

Achei.
Mas é desconfortável.
Nada como ser em casa e seguir o ritual de todo dia 29 ser na hora seja com erros, falhas equívocos.

Hoje por incrível que pareça não quero pensar sequer na revolução.
E olha que acredito.
Posso parecer tola mas sim, acredito.
Principalmente naquela revolução que é na gente
Aconteci assim: de dentro para fora.

Mas não querer falar do passe-livre para a violência e abuso do poder policial em manifestações ou da Kimta Katiguria ou o negocinho lá do agora é que são elas ou da palavra santa e amada pela mídia no ano de 2015 na terra do pau Brasil é inédito.

Vai ver é preguiça. 
E é viu. pura preguiça mental.

Então continuo descansando a mente, lendo histórias e estória, ouvindo musicas, arrumando as coisas para a visita de amanhã e fazendo a lista mental de vontades e metas para o ano de 2016.

Dentre tantas, revelo só uma.
Dançar.

ps: pressa depois coloco a musica e publico noutro canto tb. adeus,