domingo, 10 de abril de 2016

Então, quem foi?

Eu ainda acho muito esquisito essas pessoas que acham que a culpa é sempre de alguém.
Basta algo dar errado e pronto já está ali o dedo apontado quase que imediatamente ao culpado.
Aprendi que em grande maioria das vezes ninguém erra sozinho...
A dificuldade de se assumir errado vem do orgulho e da mágoa causada pelo erro. 
Há de se ter maturidade para entender a culpa de ambos lados.
Há de se ter maturidade para entender quando o erro é só seu.
Enquanto tem os que não assumem de jeito nenhum o erro cometido, tem os que assumem um comboio de erros sozinhos aguentam o que vier, olhos, falas, risos, críticas e tudo que um erro trás consigo.
Antes eu achava que esses também eram imaturos até ouvir:
"Deixei que pensassem assim primeiro por que não importa o que eu fale serei sempre a errada, segundo é que assumindo toda a culpa eu não preciso ter o cansaço de brigar, assumindo toda culpa tenho paz."
Sempre pensei que as pessoas deveriam sim se defender com isso, nunca havia pensado na canseira que na maioria das vezes é...  Logo conclui que sim, há uma paz em ser culpada.
Reparem, quando a pessoa se acha certa ela explica e justifica milhares de vezes o que aconteceu para que as outras pessoas acreditem ou concordem.
Já a culpada só diz: Eu tenho culpa!
E isso, geralmente já é o suficiente para quem esta ouvindo, geralmente a pessoa já sabe todos os motivos da culpa e a culpada nem precisa explicar.
Escrevendo sobre isso, pensei em quantas vezes achei um culpado e um inocente, quantas vezes fui eu , quantas vezes eu falei não ser e quantas outras me justifiquei e de nada adiantou.
Agora entendo que, quando as pessoas estão determinadas em apontar um culpado ou um inocente você tem sim mais opções além da opção de se defender.