sábado, 29 de outubro de 2016

respeito é pra quem tem

Tinha uma programação pré-pensada, ia escrever sobre o “Próxima B” e como seria se fosse habitável.  Mas quando abri a página para começar escrever desisti. Parei uns segundinhos, balancei a cabeça e surgiu o sorrisinho sacana de sempre. Por pouco não caio na cilada.

 Não. É melhor respeitar. Respeitar o que vem mais forte na mente e no coração. O que acompanha em tudo que faz e fica martelando a cabeça dia a dia.

Esse tem sido o exercício dos últimos anos. Tentar respeitar.

Aprender e em especial viver o respeito e consequentemente respeitar os demais. Respeito que se renova e movimenta a gente para identificar se está sendo leal consigo mesmo e dando o respeito a quem deve.

Não será hoje, talvez mês que vem o “Próxima B” e aquele filme sejam prioridade na mente.

As imagens dos adolescentes nos últimos anos, meses, mais precisamente de dias não saem da minha cabeça.  Volta e meia vem à mente eles cantando funk politizado, fazendo jogral, nas ruas dançando e caminhando com bandeiras, com gritos de ordem ou pendurados nos portões de ferro dizendo que não tem arrego, tem luta.

Ou aqueles cartazes dizendo OCUPADO! OCUPA TUDO! SECUNDARISTAS EM LUTA.


A imagem da Marcela segurando a cadeira que o policial estupidamente estava arrastando e danificando ocupou meus pensamentos por meses em 2015. Ou aquela em que se segura na cadeira enquanto o policial tenta tirá-la do protesto. Ou ainda esta:

Rever está imagem desconstrói todos os comentários questionando porque na época em que a presidente cortou milhões da educação não fizeram nada. É mentira. 

Em quase todas as ocupações em 2015 tinham cartazes sobre os cortes na educação e reorganização das escolas.

Dizer que são partidários é além de enorme equivoco é falta de caráter. Algo que alguns movimentos sequer sabem o que significa porque são financiados por empresários, partidos de direita, ONGs internacionais e pelos ingênuos que acreditam nas propostas e ações políticas de movimento social que propõe manifestação com camiseta da CPF, trio elétrico e pato como mascote.

Quem nunca estudou em escola pública estadual não pode se sentir no direito de querer defender algo que não sabe como é. Não pode ter a pachorra de abrir a boca pra dizer que está ali pelos estudantes que querem estudar. Posso escrever a perder de vista o que significa estudar em escola pública estadual precarizada com professores e ensino sucateados.


Só me pergunto por que essas ocupações demoraram tanto para acontecer. Por que quando estudava não existiu algo assim.

Quando me sinto desmotivada e entristecida lembro-me deles, e logo quase que instantaneamente fico melhor. Não quero com isso, colocar projeções ou cargas que eles não podem carregar/segurar. 

Pode chover comentários chamando-os de esquerdistas e outros “adjetivos” que me recuso a escrever.

Quem escreve algo assim, nunca visitou qualquer ocupação, jamais conversou com eles e principalmente não compreendeu o que querem e qual segmento político priorizam.

Para quem não sabe o significado de autonomia e auto-organização qualquer palavra serve para subjugá-los.

É com máximo respeito a eles que toco neste assunto. Sem delongas e sem tirar-lhes a palavra. Quem melhor do que eles para falar sobre né. Então segue para quem não viu ter a grata oportunidade de contemplar o que vem vindo por ai ou conhecer as consequências da autonomia e auto-organização: