quinta-feira, 21 de junho de 2012

E sorrir, lembrando do seu olhar!

Andando por essa estrada, que me leva nem sei pra onde, vou lembrando de você!
Sempre me encantei com seu olhar que penetrava a alma! Seu sorriso que me fazia me perder em meio aos pensamentos que iam e vinham...

Mais do que palavras! O sentimento era tudo! Foi tudo!
Simplesmente inesquecível!

Penso comigo: Por quê determinadas coisas acabam?!
Será que é por que a gente não cuida direito?!

Puxa vida... A história teria sido tão diferente! 
Queria ter feito de você a pessoa mais feliz nessa Terra, quiçá do Universo!

Não... Ainda seria muito pouco...
Prefiro dizer que seria algo que não fosse temporal. Que duraria a eternidade.
Que não fosse eterno enquanto durasse, mas que prevalecesse em meio a tudo e em meio a todos!

Restaram as lembranças! 

Do seu cheiro! Do seu perfume! Do seu xampu!

Enquanto escrevo, vou rindo, lembrando das brincadeiras que fazíamos! E também desses detalhes que citei no parágrafo acima, que podem até parecer banalidades, mas que fazem parte das coisas que mais gosto de lembrar em você!


Bendita vida essa que faz com que cada um de nós tomemos caminhos diferentes...


Lembro que adorava fazê-la chorar... Mas de felicidade! 
E também de quando te fiz chorar de tristeza. Disse à você e à mim mesmo que eu não era digno do seu amor, que a mulher que eu amava não deveria chorar por aquele motivo.

E você me abraçou, e continuou dizendo que me amava...

Sei lá... Engraçado, sabe?! Por quê coisas assim acabam?!
Acho que a pior parte disso tudo, é que nunca saberei a resposta...

Hoje você está tão longe de mim! E eu de você!
Entre tantos "por quês" que eu gostaria de entender, está também o por quê de eu ser tão saudosista!
Não é que isso me faça triste. Muito pelo contrário! 

Gosto muito dessas recordações!
Só queria que não fossem recordações! Queria que fosse o presente!
Agora, já!
Mas...
A vida apronta o que ela bem entender...

Será que você lembra daquele dia que eu coloquei a música, quando estávamos sozinhos na sua casa, e disse que queria dançá-la com você?! Ahahaha!

Você me chamou de louco! Doido!
E eu disse que era mesmo! E que você era a culpada!

No final das contas, você topou!
Aaaaah... O olhar... Janela da alma...
Parecia que eu te conhecia tão bem... E acho que até conhecia!

Cada acorde, cada palavra... Cada balançar pra lá e para cá dos nossos corpos, embalados ao sabor daquela música... Mas o olhar... Era impossível não amar o seu olhar!

Que me falava tanto em meio ao silêncio! 
Que me entendia tanto quando nem eu mesmo me entendia! 
Como é bom lembrar de você... E sorrir, lembrando do seu olhar!
Agora deixa eu ir! Meu ônibus acabou de chegar.