terça-feira, 27 de setembro de 2016

Oração

Crepúsculo. Alto de um cruzeiro. Peregrinos do mundo todo passam pelo local. Uma velha senhora oferece velas coloridas para cada graça a ser alcançada.

Joaquim se aproxima da velha e faz sinal com os dedos de que quer três velas. Paga, agradece e vai embora.

Num pequeno oratório, Joaquim coloca em pé as velas uma ao lado da outra: branca, amarela e vermelha. Olha em volta para verificar se não estava sendo observado e então acende a vela vermelha, talvez o amor possa lhe acontecer durante a viagem. Acende a amarela, porque dinheiro nunca é demais e, por fim, a vela branca, sua antiga e persistente busca por paz interior.

Joaquim se agacha para orar. Quando as três velas estão acesas, um vento forte apaga as velas amarela e vermelha. Ele as acende, calmamente, de novo. Um novo vento forte assopra e a vela amarela cai e derruba a vermelha. A branca permanece de pé.

Joaquim se enfurece, levanta e vai embora do cruzeiro. A vela branca permaneceu acesa.